TORRE DE BELÉM

torredebelem-baixa

Torre de Belém. Lisboa. Portugal. Fevereiro de 2017.

Ela parece chorar para o vento, para o mar que vira rio, para a bendita Torre de Belém que a protege. Só não protege de levar seu marido embora, embarcado numa das tantas naus que desaparecem no horizonte. Ela parece chorar, mas quando o rapaz da guitarra portuguesa dedilha, ela canta. Quando os celulares fotografam, ela atrapalha. Quando o guia oportunista tenta explicar as pequenas torres muçulmanas encurvadas naquela platitude cristã, ela parece chorar para o vento.

A.C.M.

facebook.com/calimanviajando

 

Anúncios

CONQUISTAS E FUGAS

monumentodescobrimento-baixa

Lisboa. Portugal. Fevereiro de 2017.

O gordinho sai correndo com a coroa na cabeça e todos sabem que é só um um ator mentindo. O rio é tão largo que parece mar, a borda é uma reta tão longa que parece até perto chegar lá no horizonte. É preciso ficar algum tempo olhando as pedras até que elas comecem a se mover. Há uma vertigem ao lado do monumento, uma vontade de se jogar e partir, mas a cidade continua pedindo Não partam! Não partam! Mesmo porque o inverno já está quente por aqui.

A.C.M.

facebook.com/calimanviajando

O FEITO DE MARTIM MONIZ

martimmoniz-baixa

Lisboa. Portugal. Fevereiro de 2017.

Fiquei tanto tempo dentro do Castelo São Jorge que, quando desço pelas ruelas sinuosas procurando meu hotel, é noite, e acabo me perdendo. Peço informações a um guarda muçulmano, mas ele nem responde, distraído enquanto ajeita seu turbante na cabeça. As luzes amareladas criam sombras de formas sinistras nas antigas paredes de pedra. Após mais uma curva, vejo um grande portão entreaberto, dando acesso ao castelo. Em seguida, sons de passos pesados. Um cavaleiro cristão sobe correndo uma ladeira numa velocidade nunca antes vista em uma esteira de academia e se joga na fresta do portão antes que o guarda dorminhoco possa fechá-lo completamente. Entalado, o bravo cavaleiro recebe flechadas até a morte, assegurando seu heroísmo, pois, por esta fresta, todo um exército cristão retoma Lisboa, à quase mil anos atrás. A moça que tentava ler no escuro tem tempo de perguntar o home do herói. Ele diz que se chama Martim Moniz.

A.C.M.

FACEBOOK

www.facebook.com/calimanviajando

20170302_161052