AO REDOR DO COLISEU

roma-gladiador-peq

Roma. Itália. Fevereiro de 2017.

Caminho ao redor do Coliseu, o sol quente contrasta com o vento frio. É o fim do inverno. Aquele tigre já deve estar sentindo calor, penso. Mas ele encontra forças para avançar no gladiador distraído, que passava um papo na filha daquele nobre esnobe. Que estranho bicho de estimação! A francesa tão blasé se admira e eu quase perco de ver o pistoleiro americano puxando a máquina fotográfica na rapidez de um turista japonês. O romano gordinho solta o cigarro que tentava fazer enganar sua idade. Ninguém está vendo essas marcas de tiro? diz a professora responsável pela excursão da quinta série. Pouca gente lá em cima nota. Estão preocupados com as ruínas vazias da arena que tenta reaver sua glória.

A.C.M.

facebook.com/calimanviajando

 

 

NAS MURALHAS DO CONVENTO DE CRISTO

conventodecristo-baixa

Tomar. Portugal. Março de 2017.

O vento assobia por entre as muralhas antigas. Um templário boa gente me leva até a torre de vigia. Vejo todo o vale, a cidade que não mudou muito nesse tempo todo, as oliveiras devem até ser as mesmas. Rabisco o cavaleiro que acaba de entrar, fazendo uma saudação amigável, a mesma de mil anos atrás. O Convento de Cristo ficou mais charmoso com a idade. Eu voltaria aqui à noite para tentar pular aquele portão da frente, parece baixo visto daqui. A rampa de acesso parece tranquila sem as flechas, as  lanças e as espadas querendo me acertar. Os fantasmas guerreiros, no entanto, talvez me olhem com reprovação. Afinal de contas, a bandeira com o símbolo continua a tremular.

A.C.M.

facebook.com/calimanviajando

20170309_162342

DSC09647

VILA VELHA SUBMERSA

vilavelha-baixa

Vila Velha. Paraná. Brasil. Janeiro de 2017.

Caminho por essa vila submersa, agora seca, quente. Tento copiar o desenho feito pelo vento que estava só esperando a maré baixar, e quanto tempo durou. Os peixes sentiram saudade desse pedaço e foram contando para as futuras gerações como era bonito e misterioso aquele fundo de mar. A taça tinha outra forma, ainda maior, e era conhecida por outro nome, mas a Vila Velha é mais velha que seu próprio nome, e a cada século, se renova.

A.C.M.

FACEBOOK:

facebook.com/calimanviajando

VOLTAS NO CIRCO MÁXIMO

circomaximo-baixa

Roma. Itália. Fevereiro de 2017.

Os namorados se sentam nas bordas da pista de corrida, com seus lanches e beijos, como se esse local fosse tranquilo e silencioso. Eu quase acredito neles, mas é aí que uma biga enlouquecida quase me atropela, não fosse o reflexo que apareceu em meu celular enquanto eu tentava fazer uma selfie solitária. As rodas trepidam no chão pedregoso, o chicote estala, os cavalos bufam e o público fica eufórico. O Imperador, lá de cima do palácio em ruínas, acha estranho os turistas arriscando a vida ao atravessar o glorioso Circo Máximo.

A.C.M.

FACEBOOK:

www.facebook.com/calimanviajando

20170223_163531

O FEITO DE MARTIM MONIZ

martimmoniz-baixa

Lisboa. Portugal. Fevereiro de 2017.

Fiquei tanto tempo dentro do Castelo São Jorge que, quando desço pelas ruelas sinuosas procurando meu hotel, é noite, e acabo me perdendo. Peço informações a um guarda muçulmano, mas ele nem responde, distraído enquanto ajeita seu turbante na cabeça. As luzes amareladas criam sombras de formas sinistras nas antigas paredes de pedra. Após mais uma curva, vejo um grande portão entreaberto, dando acesso ao castelo. Em seguida, sons de passos pesados. Um cavaleiro cristão sobe correndo uma ladeira numa velocidade nunca antes vista em uma esteira de academia e se joga na fresta do portão antes que o guarda dorminhoco possa fechá-lo completamente. Entalado, o bravo cavaleiro recebe flechadas até a morte, assegurando seu heroísmo, pois, por esta fresta, todo um exército cristão retoma Lisboa, à quase mil anos atrás. A moça que tentava ler no escuro tem tempo de perguntar o nome do herói, antes que ele dê seu último suspiro, e eu posso ouvir a resposta. Ele diz que se chama Martim Moniz.

A.C.M.

FACEBOOK

www.facebook.com/calimanviajando

20170302_161052

ENTRE AS RUÍNAS DO IMPÉRIO ROMANO

roma-forum-1-peq

Roma. Itália. Fevereiro de 2017.

Muitas viagens podem ser feitas em Roma. Mesmo que você queira chegar ao Vaticano, vai ter que passar antes pelo Templo de Saturno, e a coisa nem se chamava República ainda, lá por volta dos anos 87 d.C. Mesmo que você queira chegar ao Coliseu, vai ter que passar antes pelo Altare della Patria, aquela coisa desproporcional que unificou tudo, talvez tarde demais. E mesmo que você só queria ver a Capela Sistina, vai ter que passar antes pelos artistas de rua, fazendo ecoar violinos desafinados pelas frestas das pedras do Império que ruiu faz tempo. Vai ter que passar pelos ciganos, os aquarelistas e os turistas. Vai ter que lembrar que tanto Audrey Hepburn quanto Mussolini passaram pelas mesmas ruas de pedra de mais de dois mil anos atrás.

A.C.M.

FACEBOOK:

https://www.facebook.com/calimanviajando

20170214_170122

DSC09515

ORADOUR-SUR-GLANE

oradour-cor-peq

Oradour-sur-Glane. França. Dezembro de 2015.

O padeiro, o mecânico e a dona de casa gritam nesse dia frio e silencioso de dezembro. Era junho de 1944 quando alguns alemães não atentaram para o fato de que não havia necessidade de incendiar o vilarejo de Oradour-sur-Glane. E o incêndio parece durar até hoje, representado na ferrugem dos carros antigos, nas placas chamuscadas de barbearias e escolas, no vazio denunciador das ruas desoladas, nas casas, no mercado, na igreja em ruínas. Já na iminência da liberação francesa, talvez o ódio da impaciência, ou da derrota, tenha motivado os soldados perdedores. Talvez seja melhor mesmo largar toda essa tralha triste aqui. Talvez seja melhor lembrar do que somos capazes. 

A.C.M.

FACEBOOK:

https://www.facebook.com/calimanviajando