O FEITO DE MARTIM MONIZ

martimmoniz-baixa

Lisboa. Portugal. Fevereiro de 2017.

Por onde quer que se ande neste planeta, sempre há alguma história extraordinária a escutar. Algum acontecimento estranho, terrível, belo, heróico… heróis não são tão fáceis de achar. Por isso às vezes os inventamos, criando lendas. Mas lendas são interessantes, podem servir para expressar um acontecimento ou uma personalidade que existiu de alguma forma.

A lenda ou o personagem lendário podem ser uma síntese de um pensamento dominante em certa época ou a junção de várias pessoas reais em uma só personalidade que reúne e representa características, sentimentos e hábitos vividos em algum momento longínquo, perdido no tempo.

O nome de Martim Moniz começou a ecoar em meus ouvidos aqui em Lisboa, pelas praças, ruas estreitas, maravilhosas ilustrações em azulejos e no sotaque português desse país que há mais de quinhentos anos navegou até o país que eu nasci. Mas Martim Moniz viveu muito antes disso.

No ano de 1147 ele teria executado o feito que seria lembrado até hoje, e sabe-se lá até quando. Na época, Portugal era dominada pelos Mouros há vários séculos. Como parte da Segunda Cruzada, os cavaleiros cristãos realizaram o Cerco de Lisboa para finalmente reconquistar a cidade. Conta-se que certa noite, Martim Moniz, este nobre cavaleiro cristão, sob o comando do rei D. Afonso Henriques, percebeu que um dos portões do Castelo dos Mouros estava entreaberto. O bravo Martim viu ali uma grande oportunidade e atravessou seu próprio corpo no vão do portão enquanto seus companheiros subiam as tortuosas ruelas da colina. Ao impedir o seu fechamento pelos mouros defensores, Martim sacrificou a própria vida, sendo morto por lanças, flechas e espadas. Mas permitindo assim a invasão cristã, garantindo o único grande sucesso da Segunda Cruzada.

Em homenagem ao bravo, o portão ficou conhecido como “Porta de Martim Moniz”, tornando-o um glorioso mártir cristão.

Mas um país com tão longa ocupação islâmica e cristã haveria de guardar muito da cultura de ambas. Como exemplo da cultura islâmica, temos a arte em azulejo que acabou por representar o heróismo do adversário. A partir do século XV, a pintura em azulejo viria a se tornar uma das marcas registradas na arquitetura portuguesa.

Termino meu desenho e vou descendo as tortuosas ruelas da antiga colina cristã, que se tornou moura e voltou a ser cristã. Imagino esses cavaleiros medievais transitando por aqui, entre os turistas com seus paus de selfie. Tomo uma taça de vinho em homenagem a Martim Moniz.

A.C.M.

FACEBOOK

www.facebook.com/calimanviajando

20170302_161052

Anúncios